Arquivo

Archive for the ‘Dicas relâmpago’ Category

Brincando de fotografia macro com lente invertida

Olá pessoal.

Tenho certeza que todo mundo aí já ouviu falar dessa técnica de fotografar macro usando a lente invertida. Definitivamente isso não é novidade.

Mas sabem que eu NUNCA tinha brincado disso? Pra falar a verdade, eu nem sabia como fazer. Descobri que mais simples, impossível. Tire a objetiva da câmera, vire ao contrário e segure na frente do corpo da câmera. Dificil, não?

Bom, isso é um assunto. Outro assunto, que o pessoal que me segue no twitter acompanhou, é que eu resgatei na semana passada uma gatinha que estava quase morrendo. Hoje, felizmente ela já está comendo bem, saudável e está bem mais gordinha.

O que uma coisa tem a ver com a outra? É que aproveitei a oportunidade para mostrar as fotos dela para vocês (já que tinha gente pedindo no twitter) e, ao mesmo tempo, mostrar a técnica do macro com a lente invertida.

Nessas primeiras imagens, estou usando a lente 50mm na posição normal.

E nessas a seguir, inverti a lente 50mm, para fazer uns macros legais.

Mas Huaíne, o que diabos isso tem a ver com fotografia infantil?

Em princípio, nada! Mas se você forem um pouco criativos, podem usar sim essa técnica com fotografia infantil, fotografando, por exemplo, detalhes dos recém nascidos, assim como fiz com a gatinha. Legal, não é?

Pensei em fazer um vídeo para vocês, demonstrando a técnica. Mas deixei para os feras! (até porque eu aprendi a fazer isso agora, rs).

A seguir vocês conferem um vídeo explicativo, feito pela Imagetech, com o fotógrafo Leandro Nunes.

Grande abraço a todos.

Dica de Livro: Fotógrafo – O olhar, a técnica e o trabalho.

Olá amigos.

Há um tempo atrás, comecei a fazer um curso no SENAC de Cascavel, sobre Fotografia de Eventos Sociais. O curso é legalzinho, sem grandes novidades, mas é um bom lugar para ir e conversar com os colegas sobre fotografia.

Para tirar proveito da experiência toda, procurei na biblioteca algum livro de fotografia (mesmo o cara que atende lá dizendo que não tinha nenhum!) e encontrei este, chamado Fotógrafo – O olhar, a técnica e trabalho, da Editora Senac Nacional.


Achei muito legal por ser uma produção 100% brasileira. Conta com belas imagens de renomados fotógrafos brasileiros, como Carios Humberto TDC, Evandro Teixeira, Marc Ferrez, Militão, Nair Benedicto, Pedro Karp Vasquez, Sebastião Salgado, Vik Muniz, dentre outros.

O livro é dividido em quatro grandes capítulos, todos eles muito bem escritos e, principalmente, ricamente ilustrados.

Vamos comentar um pouquinho cada capítulo.

I – O Olhar do Fotógrafo

Essa primeira parte fala da fotografia como documento histórico, sobre como buscar uma linguagem pessoal e inovar sempre. Conta com algumas lindas imagens de Sebastião Salgado e do mestre Cartier-Bresson (amo aquela imagem do menino com as garrafas), onde explicam sobre o ‘momento decisivo’.

De tempos em tempos, durante os capítulos, há pequenos quadros com atividades a serem seguidas. Muito legal isso, eles falam sobre o assunto, depois dão a dica de como exercitar.

Dentro dessa primeira parte, há relatos de fotógrafos brasileiros sobre sua história na fotografia e como construíram o próprio olhar.

II – Como Fotografar.

O segundo capítulo é de praxe. Dicas técnicas e básicas, sobre os principais conceitos [conhecimento obrigatório] da fotografia. Conta com explicações sobre: Partes da câmera fotográfica; Equipamentos e Formatos; Filmes; Luz; Acessórios para câmera; sobre como colocar em Prática os conhecimentos adquiridos; sobre Estúdio Fotográfico e ainda sobre Informática e a Fotografia.

É engraçado, pois como o livro é de 2002 (nem faz tanto tempo assim, hein), muita coisa mudou de lá pra cá, então pode parecer que o livro está desatualizado. Mas ao mesmo tempo, relendo certas coisas, vejo que muita coisa na fotografia não mudou e eu adoraria que os filhos da fotografia digital voltassem um pouquinho no tempo e entendessem certos conceitos que estão sendo perdidos.

As explicações sobre tipos de objetivas, sobre profundidade de campo, obturadores, diafragma, são todas muito detalhadas, com ilustrações. Muito bom pra quem tem dificuldade em entender a matemática por trás da fotografia.

A parte que explica sobre luz é riquíssima. Fala sobre fotômetros manuais, digitais, sobre como interpretar, ler e entender a luz. Realmente muito bom!

Na sessão dedicada à informática, essa tive que ler só por diversão mesmo, já que muita coisa não é mais aplicada. É bem legal ver como a coisa toda evoluiu muito. Ali eles falam sobre resolução de monitor, sobre ppi, megapixel, bits, e tem até um “Informatiquês para Fotógrafos”, onde explicam alguns termos que até então eram novos, como Balanço de Brancos, CCD, JPEG, RGB, entre outros.

III – Laboratório Fotográfico.

Confesso que essa parte achei bem chatinha. Já li isso em livros demais e como nunca pus em prática, fica chato de ler. Pra quem tem interesse no assunto, explica bem detalhadinho sobre as partes do laboratório de revelação, sobre os químicos usados, etc. Fala até sobre como se organizar e manter a segurança (alergia, inalação de gases tóxicos, são um exemplo) no laboratório.

IV – Um Mercado de Trabalho em Transformação [e com muitas opções].

No último capítulo, tratam um pouco da fotografia como profissão. Sobre algumas especialidades da fotografia, sobre como gerenciar sua carreira e a atualização profissional.

Aliás, ainda nesse assunto, o pessoal que me acompanha no Fotografia-DG já deve ter visto que escrevi sobre Como se Inserir no Mercado Fotográfico, vale a pena dar uma lidinha.

Voltando ao livro, acho legal como falam sobre ter um diferencial e não pensar somente no mercado, esquecendo a fotografia como arte.

“Traçar opções tendo o foco unicamente no mercado, sem dar conta do próprio temperamento e perfil psicológico, pode ser um caminho curto para o suicídio profissional.”

Para quem tem dúvida de em que área atuar e por onde começar, há explicações sobre algumas especialidades, como o fotojornalismo, a fotografia social, a macrofotografia, fotografia submarina, a editorial, entre outros.

_________________

De modo geral, gostei bastante do livro. Tem  bastante cara de “primeiro livro”. Digo, eu que já li muitos livros básicos, o assunto se torna repetitivo, mas para quem está começando e procura um livro para tratar do passo-a-passo, esse da Editora Senac é uma boa opção.

Se você tem SENAC na sua cidade, vale a pena dar uma passadinha e ver se encontra na biblioteca. Acho que nem precisa ser aluno nem nada rsrs. Eu cheguei la, o cara só anotou meu nome e telefone. Nem meu RG ele pediu hehehe.

Fica a dica relâmpago de hoje. Adoro dar dicas de livros. Sempre torço para que 10% das pessoas que lêem o blog realmente leiam algum livro de fotografia. É bom demais!

OBS: Galera, confesso que ando meio sem assunto. Ate tenho umas ideias de posts, mas são aquelas dicas em vídeo que ando sem tempo de fazer. Se vocês tem alguma sugestão do que gostariam de ver por aqui, pode “mandá bala”!

Um abração e até a próxima.

Huaíne Nunes.

Reality Show: The Shot!

Olá pessoal.

A dica relâmpago de hoje vai para uma descoberta que fiz hoje durante o meu horário de almoço. Não sei se estou desatualizada e todo mundo já sabia (é possível), mas eu achei simplesmente fantástico encontrar um reality show de fotógrafos.

Sempre fui fã de realities. Assisto America’s Next Top Model, Project Runway, Top Design e todos que eu conseguir encontrar sobre moda e design. Mas eu nunca tinha visto um sobre fotografia!

O programa é do canal VH1, mas eu descobri passando no canal GNT. Dei sorte de sempre almoçar com a tv ligada heheh.

Pelo que descobri, é um programa de 2007, onde 10 aspirantes à fotógrafos de moda vão competir entre si, naquele esqueminha de sempre em reality shows. A cada semana um é eliminado e o vencedor ganha um ensaio para o catálogo anual da Victória Secrets e U$100.000,00

Os participantes vão viver e trabalhar juntos em Los Angeles e receber a orientação do renomado fotógrafo Russell James. Estes aspirantes a fotógrafos vão embarcar em uma série de ensaios fotográficos para por a prova sua criatividade e expor suas fraquezas. Pela primeira vez em suas vidas, os competidores vão trabalhar com top models e profissionais experientes e viajar para locações exóticas – tudo isso para conseguir a foto perfeita. (via Minha Série).

A cada programa há um desafio diferente. No programa que eu assisti, eles tinham que fotografar embaixo d’água.

Depois de um mês, a longa jornada termina e o melhor fotógrafo será o campeão, dando início a sua carreira profissional.

Aqui vocês podem conferir o blog do programa.

Achei pouca coisa a respeito do programa, para falar a verdade. Ainda não encontrei onde baixá-la, por isso vou acompanhar pelo GNT, de segunda à sexta, ao meio dia.

Confiram o vídeo de um dos participantes:

Eu achei muuuito legal.

Livro: Tamara Lackey – A Arte de Fotografar Crianças

Há tempos estava planejando escrever para vocês sobre este maravilhoso livro (que eu vinha paquerando há um tempão).

O pessoal do Fotografia-DG, em parceria com a Editora Photos, resolveu gentilmente me presentear com horas de leitura educativa, ao me enviar este livro.

O livro A Arte de Fotografar Crianças, da fotógrafa Tamara Lackey, tem tudo que eu gostaria de ler sobre este assunto [fotografia infantil] e muito mais.

Na tradução brasileira, o livro é distruibuído pela Editora Photos. Custa R$89,00.

Vocês podem folhear as primeiras páginas do livro aqui. O legal é poder ver todo o índice. Foi isso que me deixou decidida a lê-lo, porque era notável o quanto o conteúdo é excelente.

Há também um DVD sobre o trabalho da Tamara, que eu adoraria ter, mas ainda não está a venda no Brasil. Chama Inside Contemporary Children’s Photography e custa a bagatela de U$199,00.

Ainda assim, para nós meros mortais, há o teaser do dvd, que já é inspirador o suficiente (imagina o dvd inteiro, rs).

Segue o vídeo:

_______________

Escrevi para o Fotografia-DG um review completo sobre o livro A Arte de Fotografar Crianças e um pouquinho sobre a autora Tamara Lackey.

Não deixem de conferir.

E para fechar, deliciem-se com mais algumas lindas fotos da Tamara. Um dia eu chego lá!

Foi dificílimo selecionar essas fotos. Eu tire que parar de olhar o blog dela, senão ia escolher todas.

____________

Pessoal, gostaria de aproveitar a oportunidade para convidá-los a ler os artigos sobre o bê-a-bá da fotografia infantil, que fiz recentemente para o Fotografia-DG. Vejam a Parte I e a Parte II.

Espero que tenham gostado, fica a dica relâmpago de hoje, um excelente livro de fotografia.

Um abraço e até a próxima.

Huaíne Nunes.

Extrator de Presets. Do flickr para o Lightroom.

Gente, devo confessar que a dica relâmpago de hoje é um total plágio de uma postagem genial que acabei de ver no blog do Raphael Bonelli.

Digo, plágio não é,  estou dando os devidos créditos hehe. É que achei a ferramenta tão absolutamente incrível que um mero retweet não seria suficiente para que todos vocês vissem e usassem.

Eu que já gostava de usar presets no lightroom, gostei mais ainda quando li sobre o Flickr Lightroom Preset Extractor Tabajara.

Segundo o Raphael, essa ferramenta geniosa:

“(…)possui um sistema que analisa uma imagem do Flickr, executa uma engenharia reversa e tenta criar um PRESET para o módulo Develop do Lightroom para replicar o tratamento aplicado a imagem.

O sistema só funciona se o usuário não tiver removido o EXIF da foto ao enviá-la para o Flickr.”

Claro que fiquei curiosa e fui testar. Pelo que entendi, também não funciona se a imagem tiver todos os direitos reservados, ela deve estar sob domínio público. Isso eliminaria algumas imagens, claro. Mas todas as fotos que estão no grupo do flickr deles são liberadas para extrair.

Dando uma espiadinha no grupo e procurando uma imagem que pudesse servir, encontrei esta aqui:

Colei o endereço para exportar o preset:

Depois de baixar o preset, foi só importar para o Adobe Lightroom. Vocês podem renomear o preset, eu deixei assim mesmo por enquanto.

E por fim, fiz o teste. Fiquei impressionada com o resultado. Vejam só.

É claro que eu ainda mexeria um pouquinho na foto. Mas como resultado imediato, eu achei muito bom.

Extraí uns outros como teste, obsevando fotos que eu julgava valer a pena. So far, so good. Ferramenta aprovada e de muitíssima utilidade.

Valeu pela dica, Raphael!

Cores harmoniosas!

Buenos dias, amigos fotógrafos.

Não é a primeira vez que converso com vocês sobre as cores e a enorme importância delas para criar fotografias bonitas e harmônicas.

Muita vezes, mesmo uma foto muito boa, precisa de uma “mãozinha” para tornar sua observação mais agradável.

Confesso que aprendi muito sobre como torná-las agradáveis, lendo o artigo A Importância das Cores, que já passei anteriormente para vocês, do blog da Erika Verginelli.

Para acertar no tom.

Bom, se você optou por usar aqueles retângulos coloridos para ajudar a criar harmonia de cores nas suas imagens, é importante acertar no tom da cor. O resultado fica melhor ainda.

Usando aquela ferramentinha do conta-gotas do Photoshop, o eyedropper, voce pode selecionar uma cor predominante na foto, que será a cor do seu retângulo.

Nessa imagem aqui, selecionei a cor da roupinha da Julia. Vejam como fica bonito.

Você pode também usar mais de uma cor, com fiz nas fotos da Juju, usando tom de roxo do fundo e rosa da roupinha dela.

Mas essas fotos da Juliana estão em orientação diferente, uma retrato e outra paisagem e agora?

Eu gosto, particularmente, de colocar imagens do mesmo tamanho no blog, então com o uso desses retângulos bonitinhos, consigo deixar todas elas iguais, mesmo as em orientação diferente. Uma paisagem pode preencher a imagem inteira, enquanto duas retratos podem ficar lado a lado, para ficarem do mesmo tamanho.

Nem sempre precisa ser a cor da roupinha, pode ser a cor dos olhos, de um brinquedo chamativo que esteja na foto ou até mesmo uma cor predominante em mais de uma fotografia, como nessa da Malu, que usei a cor desse “tapete-grama” (rsrs)’ para formar esta imagem.

Também acho legal inserir a assinatura em cima do retângulo complementar, assim ela não disputa atenção com a fotografia.

Você pode fazer isso no photoshop, uma a uma, escolhendo a localização, ou usar o tutorial da última postagem, inserindo com o Lightroom 3.

Lembrando que no caso do LR3, todas ficarão no mesmo lugar, então é bom garantir que os retângulos estejam no mesmo lugar também.

Bom, espero que tenham gostado da dica relâmpago de hoje. É sempre bom exercitar o uso das cores, assim quando estivermos fotografando, no momento do clique, podemos usá-las a nosso favor.

Fotolivros.

Se tem um serviço/produto que tem atraído cada vez mais fotógrafos, é o fotolivro.

Empresas como a Digipix e a Ind Imagem oferecem várias vantagens para fotógrafos profissionais. Eu mesma tenho cadastro profissional em ambas as empresas e adorei as promoçõeszinhas que eles me ofereceram.

Funciona da maneira mais prática possível, tanto para profissionais, como para amadores/entusiastas. É só baixar o software (muito fácil de usar) da empresa escolhida e montar você mesmo, em casa, um livro personalizadíssimo.

Para quem tem interesse em trabalhar com os fotolivros (como eu), além de fazer o cadastro para fotógrafos profissionais –  que facilita muito a vida –  é recomendável atentar para alguns detalhes de edição que fazem toda a diferença no resultado final.

Estes “detalhes”, como tamanho da imagem, resolução, espaço de cor, calibração de monitor e outros fatores decisivos para a boa impressão de um fotolivro, podem ser ‘aprendidos’ em dois podcasts muito esclarecedores, do mestre Clicio Barroso.

Clique nas imagens para ser redirecionado aos vídeos:

#Podcast15. Editando um fotolivro.

O Adobe Lightroom pode ser uma boa alternativa para preparar as fotos de um fotolivro; a escolha das imagens, os ajustes, tamanhos e cortes podem ser feitos com rapidez e eficiência, e a exportação das fotos leva em consideração o espaço de cor apropriado.
Neste podcast vamos ver como escolher, editar, cropar e exportar um lote de fotos para que sejam usados em um fotolivro.
Clicio Barroso.

_______

#Digipix01. Preparando arquivos para fotolivros Digipix.

Fiz este pequeno vídeo (complementar ao podcast n#15 ) para explicar a preparação dos arquivos para exportação e inserção nos fotolivros da Digipix.
É bastante completo, e está também disponível no próprio site da Digipix, como um tutorial (que terá duas partes.)
Clicio Barroso.

_______

Comecei a trabalhar com fotolivros não faz muito tempo. Tenho uns pacotes lindíssimos para aniversários e books infantis que os clientes adoram.

Vejam alguns dos modelos de fotolivro que ofereço aos meus clientes.

Segui à risca todas essas dicas do @clicio e tenho recebido muitas respostas positivas dos papais e mamães corujas. As crianças também adoram se ver “em um livro de verdade”.

Quem não tem a intenção de trabalhar com eles, pode usar o fotolivro como album pessoal. Fotos de formatura, de viagens, aniversários, férias na praia… Fica um trabalho super bonito.

Bom, é isso. Espero que tenham gostado da dica de hoje.

%d blogueiros gostam disto: